Pousada das Praias

Passeios

Passear na Mata Atlântica requer cuidados e conhecimento dos caminhos.

Para um passeio tranquilo, contrate um guia local.
Há muitos monitores de turismo formados pelo Núcleo São Sebastião da Serra do Mar credenciados pela prefeitura.

Centro Histórico de São Sebastião

A cidade se originou com as concessões de sesmarias, entre 1580 e 1609. Inicialmente, sua economia baseava-se na cultura do arroz, da cana-de-açúcar, mandioca e cereais. Chegou a possuir cerca de 25 engenhos ligados ao fabrico do açúcar e da cachaça, prosperando, no século seguinte, com a cultura do café. Foi elevada à categoria de cidade em 1875. O centro histórico guarda imóveis preservados como a Capela de São Gonçalo e residências, Cadeia Pública, Igreja Matriz, casa térrea à Rua Antônio Cândido e edifício do Grande Hotel. Construídos em alvenaria de pedra assentada com argamassa de óleo de baleia com pó de concha e areia.

Viadutos abandonados na Mata

Remanescentes da construção da rodovia, foram abandonados alguns viadutos em plena mata que hoje são usados pelos aficionados em rappel.

Cachoeiras do Ribeirão do Itú

A trilha mais famosa é a do Ribeirão do Itú, que parte da estrada do Rio Pardo, em direção a Salesópolis, até Boiçucanga. Para iniciá-la é preciso contar com a colaboração de um motorista, para deixar o grupo no alto da serra, numa entrada que não é sinalizada. Durante o caminho, que deve ser feito com sapatos que podem ser molhados, cruza-se várias vezes o rio em alguns recantos com cachoeiras incríveis. No meio, o sítio de Dito Cachimbo, um ermitão que sempre viveu sozinho por ali, mas que não recusa uma conversa. Depois de muitas bromélias, orquídeas, árvores a perder de vista, chega-se à ultima parte da cachoeira, já em Boiçucanga.

A trilha dura seis horas e o banho gelado serve para dar uma rebatida no delicioso cansaço e na alma renovada. Bom saber que Boiçucanga é uma palavra de origem indígena (significa cobra de cabeça grande) e essa trilha designa uma região que limitava as terras dos Índios Tupinambás, ao norte e Tupiniquins.

As trilhas indígenas foram utilizadas pelos colonizadores portugueses para o acesso ao interior do país, em busca de minério e produtos tropicais. 
As comunidades locais mantiveram seu uso ao longo do tempo, principalmente para peregrinações religiosas a localidades da região do planalto. Extensão 8,2 Km.

Duração média: 6 horas. Altitude no início da trilha: 580m.

 

 

Cachoeira do Samambaiaçu

É a mais bela das cachoeiras do ribeirão do Itú. Com uma queda d´água de 20 metros e uma grande e profunda piscina de águas transparentes em plena Mata Atlântica. Fica 10 minutos de carro a uma caminhada de 30 minutos.

Cachoeira da Pedra Chata

É a cachoeira mais próxima do ribeirão do Itu, com bela queda d’água e grandes piscinas em plena Mata Atlântica.

A trilha da Praia Brava também é uma opção, saindo de um ponto entre Maresias e Boiçucanga. Menos selvagem, mas também difícil, pois tem uma subida radical, a trilha pode ser percorrida de moto. O prêmio é a chegada à praia, paraíso principalmente para os surfistas.

Cachoeiras em Camburi

A maior parte das praias da Costa Sul têm trilhas que comunicam os sertões entre si. Muitos destes caminhos foram abertos por caiçaras e são centenários. O melhor ao percorrer as trilhas em São Sebastião é procurar estar muito bem guiado, de preferência por guias locais. Em Camburi, temos duas cachoeiras maiores no Sertão do Cacau, além de muitas corredeiras e piscinas.

Trilha da Antiga Estrada do Limeira

Essa trilha percorre diversos trechos dessa antiga estrada que corta a serra perto em altitudes em torno dos 400m. O passeio dá ao visitante uma visão deslumbrante do Canal de São Sebastião e as cidades vizinhas, além da visão toda especial do centro de São Sebastião. Passa por antigas fazendas, entrando em contato com a exuberante Mata Atlântica, e sua fauna e flora típica. Alguns trechos desta trilha podem ser percorridos de bike ou de veículo 4x4 o que aumenta mais a sua emoção ao percorrê-la.
Esta trilha é ideal para um passeio a cavalo, mas bike também é uma excelente opção.

 


 

Sítio Arqueológico de São Francisco

No centro, no antigo bairro de São Francisco, reduto de pescadores e caiçaras, a Mata Atlântica esconde um importante sítio arqueológico com cerca de 200 anos de história, ruínas de uma enorme e rica fazenda de escravos. Hoje, da antiga fazenda, restaram ainda colunas, paredes, escadarias em pedra, terraços com floreiras, muros de contenção ornados com figuras, aquedutos, arcos sobre pequenos vales, canaletas em pedra, um oratório e fornos que juntamente com fragmentos de faiança, porcelana, cerâmica, cachimbos e demais testemunhos materiais, compõem um impressionante sítio arqueológico com cerca de 3000m2 de restos construtivos.

Os velhos caiçaras falam que o local foi propriedade de um cruel proprietário de escravos que em troca de riquezas fez um pacto com o diabo, mantendo-o preso em uma garrafinha sob sua cama. Durante uma viagem do rico fazendeiro, sua esposa encontrou a garrafa soltando o diabo e causando a morte do senhor. 

Em meio ao velório, uma súbita ventania aconteceu apagando todos os lampiões e provocando o desaparecimento do corpo. Pouco depois, um forte raio iluminou a fazenda e todos ali presentes viram o diabo em cima da Casa Grande carregando o corpo do fazendeiro, Tal fato, provocou a fuga de todos os moradores e o abandono completo do local.

Parque Nacional Marinho dos Alcatrazes

Distante 35 Km da costa, o Arquipélago dos Alcatrazes já foi alvo de tiro da Marinha e acesso proibido, mas agora, que passou a ser uma área protegida, começam a ser permitidos passeios, embora não se deva desembarcar. Muito adequada para mergulho por sua grande transparência e profundidade,  a área é rota migratória de baleias e aves como as fragatas, com mais de 2 metros de envergadura.

Barra do Una

O Rio Cubatão é um rio largo de águas calmas. O início do passeio é pelo Rio Una em canoas canadenses, caiaques e SUPs de águas escuras coloração coca-cola, o que dá nome ao rio, uma vez que Una em Tupi significa escuro. À medida que subimos o rio as águas vão se tornando mais claras. Mais acima predominam águas transparentes, pois, este rio é formado pelas diversas cachoeiras e corpos d’água formados na Mata Atlântica. Pode-se ver o fundo do rio com troncos e pedras submersas. Há diversas praias de areia para paradas para banho, mergulhos, natação, descanso e contemplação de rica vegetação de Mata Atlântica.

Águas ótimas para um revigorante banho de rio. Dependendo do ritmo do grupo é possível chegar a praias onde encontramos argilas de coloração característica e com propriedades terapêuticas. Tanto crianças como adultos se divertem fazendo suas pinturas corporais e máscaras.

Observação de tartarugas em Camburizinho

A costeira esquerda de Camburizinho permite a observação de tartarugas com facilidade.

Se o mar estiver calmo, pode-se utilizar o caiaque da pousada ou alugar um na praia. 

 

 
English